Tia Boneca

Gente - Cabo Frio


 

É na comunidade quilombola Maria Romana que vive a moradora mais antiga de Cabo Frio, Venância Barreto da Silva, a Tia Boneca, nascida em 1904. " Meu dedo é de carne, minha unha de marfim. Não vou amar outro enquanto não ver o seu fim ". Tia Boneca é assim. Na conversa ao pé do ouvido, recita versos da mocidade, quando era considerada a mais bonita do quilombo. " Amor de perto exige cuidado. De longe, é mais estimado". Tia Boneca é sobrinha de Maria Romana, que teria morrido donzela aos 101 anos. Era dona de muitas terras e conta-se que os irmãos fizeram " macumba e mandinga " para que não se casasse e suas propriedades fossem parar na mão de marido e filhos. Os bens ficaram para 31 herdeiros, entre irmãos e sobrinhos. " Compreendeu? Morreu sacrificada por nós, que nem uma criança, sem conhecer homem ", lamenta Tia Boneca.

Tia Boneca e a tataraneta. Foto: Tasso Marcelo/Diadorim Ideias

Em 2002, ela  teve um derrame que paralisou o braço esquerdo e a impede de andar. Fala com dificuldade, mas mantém a lucidez. Vive com uma das quatro filhas, Nazaré, e a pele não mostra tantas rugas quanto a idade supõe.  " Os outros querem foto e eu também quero. Vai ter retrato de Boneca em todo lugar ", comenta, olhando fixo para as lentes da câmera, incapazes de captar o mar de histórias em seus olhos.

Tia Boneca, a mais velha moradora de Cabo Frio. Foto: Tasso Marcelo/Diadorim Ideias

"Eu trabalhei muito... Na farinha, no machado. Só não fui carvoeira. E namorei coisa demais. Na rede, era um foguete!", se ri. O sobrinho lhe contou que vive com quatro mulheres ao mesmo tempo. "E o que tem de mais?", comenta num sorriso sem dentes que cobre com as mãos. Nessa altura do tempo, tudo parece ter a mesma e desigual importância. "Num corto cacha de banana. Tu me ama com firmez ou me larga de uma vez", declama tia Boneca, que tem 31 netos e já é tataravó. Ela se orgulha de dizer que andou de ônibus até os 98 anos. "Agora tô cheia de bodega. Se puxo muito a memória, a cabeça roda. Acho que eu não morri ainda porque Deus me ama", encerra a conversa. É hora de dormir um pouquinho.   

 


Serviço

Telefone: (22) 26274072 / 78359700 /998571202 (sobrinho Lamiel Barreto)

Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro Petrobras

Apple Store Google Play

Coordenação, Produção e Conteúdo    Diadorim ideias & comunicações