Tapetes de Sal

Agenda Fixa - São Pedro da Aldeia


 

Galeria de Fotos

Os tapetes podem ser feitos com sal, serragem, flores e folhas. Foto: Cris Isidoro/Diadorim Ideias
< >

Navegue pelo Mapa

São Pedro da Aldeia é hexacampeã do concurso de tapetes de sal promovido anualmente pela TurisRio, no Rio de Janeiro. Quatro dos títulos foram conquistados pela dupla de artistas plásticos Marcio Alexandre, 42 anos, o Lobão, e Flávio Rangel, 48 anos. Os tapetes são produzidos para a festa de Corpus Christi, entre maio e junho, e podem chegar a três metros de largura e de comprimento.

O tapete, diz Flávio Rangel, começa com um esboço desenhado sobre papel vegetal uma semana antes da festa. A arte foi aprendida na escola. "Quando éramos crianças  fazíamos os tapetes nas aulas de educação artística. Ganhávamos um 'pontinho' na média", lembra Flávio. Para a confecção dos tapetes, pode-se utilizar também serragem colorida, borra de café e farinha, além de pequenos acessórios, como tampinhas de garrafas, flores e folhas.

A dupla de São Pedro da Aldeia mantém-se fiel à tradição dos tapetes de sal. "Quando é difícil encontrar sal suficiente, usamos areia", contam. A participação dos artistas em campeonatos pela região já rendeu boas histórias de aventura.  Em 2004, no caminho para uma competição no Riocentro, em Jacarepaguá, no Rio, o cabo do acelerador do carro quebrou. Flávio e Lobão tiveram que parar para reparar o problema.

O isopor que eles levavam com bebidas foi parar na pista e eles acabaram sendo abordados pela polícia rodoviária. Apesar dos contratempos, conseguiram chegar à competição quando faltava menos de uma hora e meia para o início  da votação dos tapetes. Com o desenho de Nossa Senhora da Piedade ainda pela metade, foram escolhidos vencedores.

A tradição centenária dos tapetes que marcam a passagem da procissão de Corpus Christi vem de Portugal, onde eles eram  feitos com flores e folhas. Em São Pedro da Aldeia, o costume foi retomada na década de 80 e adequado ao meio ambiente.  A região repleta de salinas deu origem à tradição dos tapetes de sal.

Vencedores em sua estreia, em 2000, os aldeenses Flavio e Lobão fazem verdadeiras obras de arte a partir do sal ao ponto de o público duvidar se aquilo é sal mesmo. Eles contam que muitas pessoas provam para ter certeza de que o sal é a matéria-prima.  Segundo Flávio, "as pessoas se assustam quando descobrem que é feito de sal e ficam tão encantadas que querem levar o tapete para casa."


Serviço

Quando:

Abril


Endereço: Os tapetes são exibidos em vários locais da cidade
Telefone: (22) 99383260 / 26270659

Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro Petrobras

Apple Store Google Play

Coordenação, Produção e Conteúdo    Diadorim ideias & comunicações