Cordelistas João Melo e Sepalo Campelo

Gente - Niterói


 

Galeria de Fotos

Cada cem gramas de cordel,ou dez livrinhos, podem sair por R$ 20 Foto: Tasso Marcelo/Diadorim Ideias
< >

Navegue pelo Mapa

Todos os domingos, João Batista Melo instala uma barraca no Campo de São Bento, no centro de Niterói e, com a balança ao lado, vende sua poesia a peso. Cada cem gramas de cordel, o equivalente a dez livrinhos, podem sair por R$ 20. Ele e o cordelista Sepalo Campelo lançaram em 2013, com apoio da prefeitura, o folheto Niterói, 440 anos de Sorrisos.

Cordelistas ensinam o verso nordestino nas escolas. Foto: Tasso Marcelo/Diadorim Ideias

São 44 estrofes, como esta, exaltando as belezas e a história da cidade: "A praia, o mar, as montanhas; formam seu lindo cenário; a mão divina a criou, num ponto extraordinário; o sol, estrelas, o mar, na hora de completarem, dão um visual lendário." Campelo ajudou a fundar, em 1988, a Academia Brasileira de Literatura de Cordel, com sede no Rio. Melo ingressou na Academia em 2005. Desde então, os dois tornaram-se parceiros literários. Ministram oficinas em escolas e dão palestras explicando os meandros do cordel.

Eloquentes incansáveis, Campelo é autor de quase  40 folhetos e Melo já passou dos cem títulos. Os dois são funcionários públicos aposentados. Campelo nasceu no Rio Grande do Norte, em 1944, e com 16 anos mudou-se para a casa de um irmão em Niterói. Melo nasceu em Sergipe, em 1938. Foi ativista sindical na juventude e conta que viajou por várias cidades do nordeste, na década de 1970, fugindo dos agentes da repressão. Chegou a Niterói em 1995 e durante muitos anos trabalhou como porteiro de um hotel. 

O cordel acompanha a dupla desde a adolescência. "Minha terra tinha muitos festejos; me apaixonei pelos cordelistas cantando na praça e passei a escrever", lembra Melo. "Nas cidades pequenas não havia jornal e o cordel era o livro da realidade", afirma Campelo. "Quando não tinha televisão, o pessoal vibrava com um decassílabo, versos de dez sílabas", completa Melo. 

A Academia de Cordel do Rio guarda uma coleção de cerca de dez mil títulos, a maioria de autores nordestinos. Para Melo, o cordel é "uma virtude a ser revelada". "O poeta precisa trabalhar até atingir o plano da realidade", ressalta. Em 2011, a dupla tornou-se conhecida ao declamar poesias no encerramento da novela Cordel Encantado, da TV Globo.

 

 


Serviço

Endereço: Campo de São Bento
Telefone: (21) 9-9722-6164 (João Batista Melo); (21) 2232-4801; 2221-1077 (Academia Brasileira de Literatura de Cordel)
Email: ablc@ablc.com.br

Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro Petrobras

Apple Store Google Play

Coordenação, Produção e Conteúdo    Diadorim ideias & comunicações