Casa da Flor

Patrimônio Material - São Pedro da Aldeia


 

Galeria de Fotos

Barroco Intuitivo

< >

Navegue pelo Mapa

"Uma casa feita de caco e transformada em flor". Era assim que Gabriel Joaquim dos Santos se referia à residência que passou décadas esculpindo.  Gabriel recolhia o que encontrava pela frente para adornar a casa - cacos de cerâmica, de louça, de vidro, de ladrilhos, lâmpada queimada, bibelôs, conchas, correntes, tampos de metal. O que já aparentava não ter mais função foi transformado pelas mãos do artista em esculturas, réplicas e mosaicos, e incorporado à casa, considerada uma espécie de "barroco intuitivo".

Nascido em 1892, filho de um escravo com uma índia,  Gabriel trabalhava na roça e  alfabetizou-se com 36 anos.  Levado por seus sonhos, fantasia e imaginação, começou a "bricolage" de sua casa em 1923. A obra  durou até o artista falecer, em 1985. Um ano depois, a residência foi tombada como patrimônio cultural fluminense pelo Inepac, considerada expressão ímpar da arquitetura espontânea popular.

A Casa da Flor e sua arquitetura fantástica já foi tema de dezenas de debates, artigos e de  documentários, entre eles O Fio da Memória, de Eduardo Coutinho. Também foi criada a Sociedade de Amigos da Casa da Flor, liderada pela professora e pesquisadora Amélia Zaluar, para preservação e divulgação do imóvel. Amélia é autora do livro A Casa da Flor, Tudo Caquinho Transformado em Beleza, lançado em dezembro de 2012.

Atualmente a Casa da Flor é zelada pelo sobrinho de Gabriel, Valdevir Soares dos Santos, que relembra com carinho a história do tio aos visitantes.


Serviço

Endereço: R. dos Passageiros, 232
Email: casadaflor_instituto@yahoo.com.br / ameliazaluar@yahoo.com.br

Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro Petrobras

Apple Store Google Play

Coordenação, Produção e Conteúdo    Diadorim ideias & comunicações