Capoeira e maculelê

Patrimônio Imaterial - Vassouras


 

Em Vassouras, a Associação Brasileira de Apoio e Desenvolvimento da Arte Capoeira (Abadá Capoeira) começou suas atividades há 13 anos, sob o comando do instrutor Sombrão e seguindo as regras ditadas pelo presidente do grupo, o Mestre Camisa. O Abadá mantém a tradição da capoeira e do maculelê, participando de eventos como os Jogos Mundiais, no Rio de Janeiro; os Jogos do Interior, em Angra dos Reis, Volta Redonda e Barra Mansa; e o batizado anual que, em Vassouras, é programado para novembro. 

A capoeira foi desenvolvida pelos escravos africanos no Brasil como forma de resistir ao cativeiro. Apesar de ter sido oficialmente proibida, há registros de sua prática durante os séculos XVIII e XIX, no Rio de Janeiro, em Recife e em Salvador. A música é um componente fundamental da capeira, dando ritmo e estabelecendo o estilo de jogo durante a roda. Muitas canções, de temas variados, são estruturadas em pequenas estrofes intercaladas por um refrão ou assumem a forma de ladainhas. O maculelê também era dançado pelos negros escravizados, que empunhavam os cepos nos canaviais e cantavam nos dialetos africanos, para que os feitores não entendessem o sentido das palavras.

O mestre que comanda os dançarinos e cantores é chamado "macota" e puxa as cantigas respondidas pelo coro. Os participantes usam, em vez dos cepos para cortar a cana-de-açúcar, bastões de madeira, que são batidos uns nos outros e marcam a dança, com um ritmo forte e compassado dado por atabaques, pandeiros e, ocasionalmente, violas de doze cordas.


Serviço

Endereço: Vassouras - RJ
Telefone: (24) 9259 9458 / (24) 8125 4581 (Adenilson Sombrão)
Email: adenilsonsombrao@yahoo.com.br

Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro Petrobras

Apple Store Google Play

Coordenação, Produção e Conteúdo    Diadorim ideias & comunicações