Aldeia Indígena de Camboinhas

Patrimônio Imaterial - Niterói


 

Galeria de Fotos

Aldeia de sementes

Aldeia é cercada pela natureza.  Foto: Cris Isidoro/ Diadorim Ideias
< >

Navegue pelo Mapa

A aldeia indígena Tekoa Mbo'yty - aldeia de sementes em português - foi fundada em 2008 pelos índios Tupi Guarany de Paraty Mirim, que voltaram ao lugar considerado sagrado por eles, na praia de Camboinhas. O local é um dos sítios arqueológicos da região, Duna Pequena, onde há sambaquis (considerados cemitérios indígenas) de 6 mil anos de idade.

O índio Darci Tupã é o mais jovem cacique do Rio de Janeiro, eleito aos 29 anos. Ele saiu de sua tribo aos 16 anos para aprender a fazer projetos de saneamento básico e ajudar a antiga aldeia. Tornou-se professor de história do índio guarani e foi contratado pelo estado para dar aula nas escolas da comunidade.

A tribo mantém as tradições de sua cultura e, em janeiro, realiza o Nhemongari, batizado das crianças e das sementes (para proteger de pragas). Na cerimônia, as mulheres comem bolo de cinzas com milho e os homens, mel da mata no cume de bambu. Toda noite, fazem a cerimônia na Casa de Reza, com música e instrumentos sagrados, como uma rabeca com três cordas, para invocar os bons espíritos e espantar os maus.

A escola, onde as crianças aprendem tupi-guarani e português, tem como símbolo o "Para-koka", que representa o caminho da sabedoria e o pensamento dos antigos. À noite, o coral de seis meninas e seis meninos, Karai Kuery, canta canções sagradas milenares. A tribo de 15 famílias, com 63 pessoas, sobrevive da pesca e da venda de objetos indígenas, como arco e flechas, lanças, pulseiras, brincos, cestaria e bichinhos de madeira.

O nome Aldeia de Sementes lembra o incêndio da aldeia em 18 de julho de 2008. Foram queimadas as casas, as roupas e até livros que guardavam segredos da cultura indígena, muitos escritos pelos anciãos já mortos. Mas dos colares que queimaram, nasceram sementes e dali a tribo criou força para continuar no local. O novo nome foi dado pela anciã do grupo, Lídia Pará, pajé de 83 anos e mãe de Darci. A tribo planeja oferecer cursos de guarani e oficinas de escultura em madeira, artesanato, comida tradicional e pintura corporal.


Serviço

Endereço: Praia de Camboinhas
Telefone: (21) 98261-6317 (Darci Tupã) / 99630-7690 – (Lígia)
Email: terradesementes@gmail.com, vejarete@gmail.com
Site: http://www.tekoamboytyitarypu.site90.com/

Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro Petrobras

Apple Store Google Play

Coordenação, Produção e Conteúdo    Diadorim ideias & comunicações